Os 17 projetos mais sustentáveis do mundo

1313 0

Segundo o Fórum Econômico Mundial, os edifícios residenciais ou comerciais respondem por quase 40% das emissões globais de gases do efeito estufa. Além disso, essas construções são responsáveis pelo consumo de 50% de toda energia usada no planeta, e consomem 40% do total de matéria-prima retirada da natureza para uso humano.

Por isso, durante a Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas (COP26), que ocorreu no início do mês de novembro, foram escolhidos os 17 projetos mais sustentáveis do mundo, com a apresentação dos selecionados em uma exposição virtual.

A exposição foi preparada pela Green Building Council, uma organização mundial que visa melhorar os métodos construtivos para tornar casas e edifícios mais sustentáveis, com o apoio de 100 organizações parceiras da indústria da construção.

A seleção levou em conta diversos fatores e componentes, como os tipos e origens dos materiais utilizados, questões de recuperação, reutilização e reciclagem, e eficiência energética das estruturas.

Confira detalhes dos 17 projetos construtivos escolhidos:

  • Edifício Monash Woodside para Tecnologia e Design – Melbourne, Austrália

É o maior edifício com o rigososo certificado de eficiência energética construtiva Passivhaus do hemisfério sul. Esse tipo de construção foca intensamente na eficiência energética total da edificação, e exige pouquíssimo consumo de energia para aquecimento ou arrefecimento de espaços.

Monash Woodside Building
  • Edifício Powerhouse Brattørkaia – Trondheim, Noruega

Esse edifício explora uma série de tecnologias, como isolamento, soluções inteligentes para fluxo de ar e uso de água do mar para aquecimento e resfriamento. Como o prédio gera energia com painéis solares, ele também abastece edifícios vizinhos e ônibus elétricos na cidade com seu excedente energético.

Powerhouse Brattørkaia office building in Tronheim by Snøhetta
  • Casa TECLA – Massa Lombarda, Itália

A casa sustentável TECLA foi totalmente impressa em 3D com argila bruta local. O projeto usado elimina quase inteiramente o desperdício de construção, e oferece um modelo circular de habitação criado com materiais reutilizáveis e recicláveis.

TECLA 3d-printed sustainable home
  • Edifício Sara Cultural Center – Skellefteå, Suécia

Ela é a segunda torre de madeira mais alta do mundo. A estrutura desse edifício de madeira maciça sequestra mais do que o dobro do carbono associado ao carbono incorporado e à energia operacional da produção de material, transporte e construção no local. Além disso, o prédio é alimentado por energia 100% hidrelétrica e construído a partir de madeira proveniente das florestas locais manejadas de forma sustentável.

  • Ecovila Favela da Paz – São Paulo, Brasil

A “ecovila urbana” está na favela Jardim Nakamura, em São Paulo. Nessa construção, são cultivados alimentos orgânicos em jardins verticais, utilizados sistemas de coleta de água da chuva. O local ainda possui um mini Gerador de Energia Solar, que abastece com energia elétrica a residência de famílias carentes, e gera gás de cozinha para a comunidade a partir do lixo orgânico.

Favela da Paz
  • Casas NCH2050 Homes – Nottingham, Inglaterra

Essas casas foram construídas com foco em medidas de economia e geração de energia. A estrutura inclui paredes com isolamento e a substituição de caldeiras a gás por um sistema de energia escalonável e centralizado, com uma central fotovoltaica, bombas de calor de origem terrestre, e armazenamento de energia térmica e elétrica.

NCH2050 Homes, Nottingham
  • Pontes de madeira laminada – Amsterdã, Holanda

Essa ponte não é uma construção pronta, mas um projeto criado por designers e engenheiros em resposta a uma chamada de propostas inspirada na Economia Circular, proposta pela agência de rodovias da Holanda. O conceito explora a longevidade, modularidade e reutilização da estrutura, em uma ponte com uma vida útil teórica de pelo menos 100 anos, uma vez que estaria totalmente protegida da chuva e alinhada com os futuros padrões Europeus para Pontes de Madeira Sustentáveis.

Bridges of laminated timber, Amsterdam, the Netherlands
  • Centro Empresarial da Universidade de East – Norwich, Inglaterra

Esse edifício usa materiais locais para criar um projeto estrutural de baixo carbono incorporado, como divisórias internas feitas de pinho de origem local, palha de Norfolk e revestimento de junco. O edifício também possui isolamento de papel reciclado, tecido de cânhamo, vidro reprocessado e gesso de argila, e recebeu as certificações sustentáveis Passivhaus e BREEAM Outstanding.

  • Parque Nacional dos Vulcões Ingita – Ruhengeri, Ruanda

Esse parque era um antigo local agrícola, que foi restaurado por meio de uma iniciativa governamental para recuperar a terra e o habitat dos gorilas da montanha, que estão em perigo de extinção. O projeto foi desenvolvido com a estrutura One Planet Living, que se concentra no impacto socioeconômico: na restauração, foram criados mais de 700 empregos locais na construção – 30% dos quais eram mulheres – com cerca de 1,15 milhão de dolar gastos na comunidade local.

Singita Volcanoes National Park, Rwanda
  • Natural Capital Laboratory – Escócia

Esse “laboratório natural” é um projeto de renovação da natureza de alta tecnologia que tem cientistas, conservacionistas e especialistas em ambiente construído trabalhando juntos para restaurar florestas nativas e reintroduzir espécies extintas localmente em 100 acres de terra nas Terras Altas da Escócia. As mudanças ambientais são monitoradas por sensoriamento remoto, drones, realidade virtual, realidade aumentada e análises de DNA.

The Natural Capital Laboratory, Scotland
  • Casa Modulus Homes – Karachi, Paquistão

Essas casas foram projetadas para ajudar com a crescente demanda do Paquistão por moradias. As residências Modulus custam pouco e podem ser construídas em um décimo de tempo das casas convencionais. As casas menores, com dois quartos, custam cerca de 8 mil dólares e são equipadas com painéis solares.

Modulus Homes, Pakistan
  • Pioneirismo em um mercado de madeira maciça na África Oriental – Nairóbi, Quênia

Essa construção é um protótipo de madeira laminada cruzada, e faz parte de um projeto maior na África Oriental. A região tem um alto potencial de reflorestamento e uma indústria de construção em rápido crescimento, e pode aproveitar muito esse mercado de madeira laminada.

Pioneering a Mass Timber Market in East Africa, Kenya
  • Distrito de Inovação de Milão – Milão, Itália

Esse distrito de edifícios começou a ser construído em 2020, e a ideia é que o local seja alimentado por fontes de energia 100% renováveis e que conserva os recursos naturais, como a água. A obra irá contar com soluções de construção pré-fabricada e uso de materiais sustentáveis.

Milan Innovation District, Italy
  • Casas Hope Rise – Bristol, Inglaterra

Esse empreendimento foi erguido sobre palafitas acima de um estacionamento público, e são 11 residências com emissão zero de carbono para jovens em situação de vulnerabilidade. Os espaços de estacionamento existentes foram mantidos, e as casas foram construídas em módulos offset antes de serem instaladas no local. As paredes são super-isoladas, e as casas apresentam sistemas de aquecimento de baixo consumo de energia, bem como painéis solares de telhado e outras tecnologias de energia renovável.

Hope Rise, Bristol, England
  • Heart of School, Green School Bali – Bali, Indonésia

Essa construção, que é chamada de “Coração da Escola”, na escola Green School Bali, foi construído com paredes de bambu e telhado de grama. Seus idealizadores afirmam que a ideia do edifício é que, quando chegar ao fim de sua vida útil, os telhados e as paredes podem ser compostados e transformados em solo, retornando à natureza.

Heart of School, Bali
  • 107 Niddrie Road – Glasgow, Escócia

Esse é um grande projeto de reforma de edifícios, que pretende explorar como reformar os prédios residenciais da Escócia do século 19 e início do século 20, com foco em reduzir o uso de energia pelas edificações. O projeto visa entender a melhor forma de reformar esses prédios para isolá-los adequadamente, eliminar os danos oriundos do aquecimento por combustível fóssil, e dar a seus residentes uma casa quente e saudável que seja barata para aquecer.

107 Niddrie Road, Scotland
  • Nga Kāinga Anamata (“casas do futuro”) – Auckland, Nova Zelândia

Este programa visa construir casas com padrões modernos e sustentáveis, mas incorporando também os valores da cultura indígena da Nova Zelândia. É liderado pela Autoridade de Desenvolvimento Urbano do país e desenvolverá cinco prédios de apartamentos, utilizando vários sistemas construtivos diferentes, bem como painéis solares para fornecer eletricidade gratuita aos inquilinos.

The 5 Systems Programme: Nga Kāinga Anamata

Fontes:

UK Green Building Council picks 17 “exemplary sustainable projects” for COP26 virtual pavilion. Deezen. 25 de outubro, 2021.

Conheça sete das construções mais sustentáveis do mundo, segundo a COP26. CNN. Novembro, 2021.

Deixe uma resposta