Mulheres na Engenharia: 7 Engenheiras para se inspirar

154 0
mulher engenheira trabalhando

O mês de junho é especial para as engenheiras. No dia 23 desse mês é comemorado o Dia Internacional das Mulheres na Engenharia, e vamos então conhecer algumas das engenheiras que revolucionaram ou estão revolucionando a história dessa área e que são verdadeiras inspirações.

Elizabeth Bragg

Elizabeth Bragg (1858 – 1929) foi a primeira mulher a se formar em engenharia civil em uma universidade americana. Ela estudou na Universidade da California, e finalizou o curso em 1876. Na época, mulheres quase não tinham acesso às universidades, e Elizabeth foi exemplo e inspiração para outras que desejavam estudar.

Julia Morgan

Julia Morgan (1872 – 1957), arquiteta e engenheira americana, foi a primeira mulher a ser admitida na prestigiosa Ecoles des Beaux-Arts, em Paris. Além disso, Julia foi a primeira mulher a abrir seu próprio escritório de arquitetura nos Estados Unidos, onde desenvolveu principalmente projetos residenciais. Ao longo de sua carreira, foram mais de 700 edifícios projetados.

Ellen Swallow

Ellen Henrietta Swallow Richards (1842 – 1911) foi uma química industrial e ambiental e professora estadunidense, no século XIX. Foi pioneira na área de engenharia sanitária e pesquisa experimental em economia doméstica, sendo a fundadora desta nova área científica. Foi a primeira mulher admitida no prestigiado Instituto de Tecnologia de Massachusetts como aluna e depois como instrutora.

Emily Warren Roebling

Ela não chegou a se formar em engenharia, mas quando seu marido adoeceu e não pôde mais trabalhar, Emily Warren Roebling (1843 – 1903) tomou seu lugar e tornou-se a engenheira-chefe na construção da famosa Ponte do Brooklyn, uma das maiores construções da época.

A Ponte do Brooklyn foi concluída em 1883, e Emily foi a primeira a cruzar a ponte de carruagem.

Edwiges Maria Becker Hom’meil

Edwiges foi a primeira engenheira civil do Brasil, formada em março de 1917 pela Escola Politécnica da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Ela certamente abriu caminho na profissão para muitas outras mulheres.

Enedina Alves Marques

Primeira engenheira do estado do Paraná e também a primeira mulher negra a se tornar engenheira no Brasil. Formada pela Universidade Federal do Paraná no ano de 1945, Enedina participou do projeto da Usina Governador Pedro Viriato Parigot de Souza, a maior central hidrelétrica subterrânea do sul do país.

Deise Gravina

Formada em engenharia civil, ela é conhecida como a “Engenheira Social”, e foi a idealizadora do Projeto Mão na Massa. Esse projeto, desde 2007, já capacitou mais de 1.200 mulheres a trabalharem na construção civil.

A engenheira Deise percebeu a necessidade de oferecer mais oportunidades ao público feminino para que pudessem aprender as técnicas da construção. O projeto oferece cursos profissionalizantes gratuitos que vão de teoria em sala de aula, onde aprendem os fundamentos de construção civil, além de práticas em obras de verdade, acompanhadas de engenheiros, arquitetos e técnicos de edificações.

Fontes:

Reportagem/Deise Gravina. Em: vejario.abril.com.br/cidade/deise-gravina-criou-um-curso-de-capacitacao-de-mulheres-na-construcao-civil.

6 mulheres que mudaram a história. Em: isdralit.com.br/deu-na-telha/6-mulheres-que-mudaram-a-historia-da-construcao-civil.

Imagem de capa: <a href=”https://br.freepik.com/fotos/construcao”>Construção foto criado por freepik – br.freepik.com</a>.

Mulheres conquistam cada vez mais seu espaço na Engenharia. Em: g1.globo.com/es/espirito-santo/especial-publicitario/arcelormittal/elasnaengenharia/noticia/2021/05/19/mulheres-conquistam-cada-vez-mais-seu-espaco-na-engenharia.ghtml. Maio, 2021.

Deixe uma resposta