Brasil está em 9º lugar em instalação de painéis solares

221 0

Em levantamento feito a partir de dados do International Energy Agency Photovoltaic Power Systems Programme (IEA PVPS), o Brasil fechou 2020 como o 9º país do mundo que mais instala painéis solares. Os dados foram divulgados pela Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar) em maio de 2021.

Esse ranking inclui não só grandes usinas, mas também pequenos sistemas fotovoltaicos. As estatísticas mostram que, no ano passado, o Brasil instalou 3.152,9 megawatts (MW) de fonte solar fotovoltaica, incluindo 2.535,3 MW (80 %) em sistemas de geração distribuída e 617,6 MW (20 %) em sistemas de geração centralizada.

Com essa geração, o setor solar trouxe ao Brasil R$ 15,9 bilhões em novos investimentos e mais de 99 mil novos empregos.

Os países em destaque do setor em 2020 foram China, Estados Unidos, Vietnã, Japão e Alemanha.

Construção civil de olho nessa energia

A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) divulgou no último dia 15 que haverá um aumento de mais de 20% na bandeira vermelha da conta de luz.

Esse aumento preocupa o setor da construção civil, uma das áreas que mais utiliza energia elétrica.

O principal impacto deve vir por meio dos materiais utilizados nas obras. Alguns deles demandam alto consumo de eletricidade durante a fabricação e esse custo deverá chegar aos canteiros.
 
O alumínio é apontado como a matéria-prima que mais demanda energia, com cerca de 50% do seu custo de produção atribuído ao consumo de eletricidade, seguido pelo cimento e o aço.

A Abramat (Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção) afirmou, em nota, que manifesta preocupação com as notícias sobre aumento da tarifa de energia: “O tema é bastante sensível à indústria de materiais de construção, sobretudo para alguns setores, como o siderúrgico, cerâmico e de vidros”.

Por isso, várias empresas estão investindo ou pensando em investir em energia solar, incluindo as construtoras.

O projeto de lei 5829/19, conhecido como o marco legal da geração distribuída solar, está sendo estudado e, se for aprovado, promete instituir normas que acelerem a instalação de sistemas de energia solar e reduzam a conta de luz da população, favorecendo a implementação dessa energia pelo setor público e privado.

De acordo com a Absolar, a previsão é que, se o marco for aprovado, a geração distribuída provocaria uma redução de custos de aproximadamente 150 bilhões de reais somente no uso das termelétricas até o ano de 2050. A fonte termelétrica é uma das principais responsáveis pelos aumentos na conta de luz.

Fontes:

Como o marco legal da energia solar pode impactar a sua conta de luz. Em: https://veja.abril.com.br/economia/como-o-marco-legal-da-energia-solar-pode-impactar-a-sua-conta-de-luz/. Abril, 2021.

Brasil entra no top 10 de países que mais instalaram energia solar em 2020. Em: https://www.absolar.org.br/noticia/brasil-entra-no-top-10-de-paises-que-mais-instalaram-energia-solar-em-2020-2/. Maio, 2021.

Preço da energia preocupa construção civil, que sofre com alta dos insumos. Em: https://noticias.uol.com.br/colunas/reinaldo-azevedo/2021/06/16/preco-da-energia-preocupa-construcao-civil-que-sofre-com-alta-dos-insumos.htm. Junho, 2021.

Deixe uma resposta